Menu

Translate - Traducir

06/10/2016

Segredos de Uma Antiga Civilização - Parte Final


Só continue se você já leu Segredos de Uma Antiga Civilização - Parte 1

---

Ao chegar no lugar

Foi difícil encontrar

A passagem secreta

Que estava encoberta

Pela água do mar

Mergulhamos com atenção

No meio da escuridão



A princesa usou sua luz

Para iluminar o caminho


Rapidamente nos conduz

Com muito brilho

Em direção ao portão principal

Que tinha um manual

Pedindo o código secreto

O que anotei com atenção

Enquanto andava esperto

Pelo caminho de solidão


Movi as alavancas

Que abriram as trancas

Um ruído surgiu no ar

Como vozes a gritar

Entramos pelo portão

Com o coração na mão

Um abismo surgiu imediatamente

Bem na nossa frente

Uma ponte para atravessar

E prosseguir o caminhar

O vento soprava fortemente

E me arrepiava totalmente

Me senti indo em direção

Ao meu próprio caixão

Até mesmo as caveiras

Temeram a escuridão

Que escondia as fileiras

De destruição

Estávamos no pântano de perdição

Que levou milhares à maldição


O Lich não estava lá

Sorte a nossa

A guerreira também não

Apenas uma tocha

Jogada ao chão

Não encontramos o bastão

Mas na escuridão

Encontramos outro portal

Com um segredo especial

A princesa tomou a dianteira

E meio sorrateira

Puxou um punhal

Enfiou na porteira

Que soltou um sinal

Bem vindo à antiga civilização

Lar de luz e escuridão

Somente na união

Dos dois extremos

É que teremos

A revelação


Uma luz brilhou no lugar

O sol voltou a raiar

A água escura do pântano

Que causava espanto

Deixou de assustar

Pudemos caminhar

Tranquilamente pelo altar

Do Lich da destruição

Criador da maldição

Que voltou então

Ao seu lugar

A escuridão


No centro do altar

Havia dois encaixes

Que precisamos completar

Com nosso colar

O chão tremeu

E nos estremeceu

O altar abriu

E logo surgiu

O corpo da guerreira

Que em sua destreza

Preservou com sutileza

Sua beleza

Antes de falecer

Após prender

O Lord da escuridão

Lich da destruição


Ao lado dela havia

Um pergaminho que dizia:

As dificuldades da vida

Causam instabilidade

Que quando corrigida

Revelam a verdade

Que estava escondida

Na normalidade


Todos possuem habilidades

E capacidades

De encontrar o caminho

Mesmo sozinho

A vida traz evolução

Na confusão

E a experiência

Inteligência

Mas o tempo é perigoso

Meio assombroso

Nos faz esquecer

O que de modo honroso

Conseguimos ser

Nosso verdadeiro eu

Que se perde no breu

Do precisamos ter


A vida é uma evolução

Que avança rapidamente

Como o avião

Seguindo em frente

Quanto maior a velocidade

Maior a quantidade

De acontecimentos

Que deixamos escapar

Pelo avançar

Dos momentos

Que nos acostumamos

A superar

Quando nos damos conta

Sofremos afronta

Daquilo que fizemos

Enquanto corremos

De nossos pequenos

Erros

As dificuldades

Na verdade

São frutos

Dos cursos

Que tomamos

Quando viajamos

Em nosso errar

Temos que enfrentar

As dificuldades

E superar

Adversidades

Para não ser vítima

De nossa ínfima

Ingenuidade

Que cria um Lich de destruição

E um pântano de escuridão

Que puxa para o fundo

O nosso coração


Após ler o pergaminho

Surgiu um caminho

Entramos pelo portal

Que surgiu afinal

Chegamos no futuro

Da humanidade

Que no escuro

Plantava vaidade

Continuaram errando

E semeando

Ingenuidade

Tendo certeza

Que era esperteza

Quando na verdade

Era tolice




O Espírito
Da Escuridão
Parte 1
Não Adianta Reclamar
O Segredo É Enfrentar
Superando
A Solidão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião sobre o poema ou blog, isto nos incentiva a continuar o trabalho =)